23.1.15

Ubiquidade



é assim.

a Presença
não pisca
não se coça
não vira as costas
não se vai...

vigia os sonos os sonhos 
as ilusões vulcânicas 
as oceânicas as brancas 
ribeirinhas...

observa, materna, muda, 
cada passo
[do além-ninho
ao ninho do além]...

e quando toca o sino
do meio-dia
e os passos
atropelam os próprios pés
no corre-corre [pelo come-dorme],
lá está ela, a postos
sem reclamar
da escravidão sempiterna...

seus incontáveis olhos
não arredam os cílios
dos filhos...

parece que não,
mas ela chora.
moda pai...

não liga se dormimos
cobertos de nuvens
ou não,

mas nunca esquece
de apagar as estrelas
pra nós.

_______________________________________________________JiZ
Em resposta ao 130º Desafio Poético com Imagens de Tania Contreiras.

Jerry Uelsmann





3 comentários: