4.8.14

Chamado

O dia não cintila seu mel.
Voa a águia sobre a prata pálida do orvalho,
e a melancolia luciluz gris primavera.

[Ouço um chamado
um choro
um estampido..................]

Da campânula inquebrantável, emurchecida flor,
Canto, canto abafado, para suportar o ordálio...
As nuvens, em fileiras compactas, marcham lentas,
e os trinados perdem seus ecos na atmosfera densa...

Mas, oh, multiplicador de vidas! Para que sol
se vossas aves-meninas tombam, às pencas,
sobre o colo duro e frio daquela pátria sem dono?!

Apaguem-se os luzeiros do mundo!..
Fechem-se todas as corolas de todas as flores de todos os jardins de todos os rincões!
Não haja mais canto sobre canto sobre a terra!
Vistamos nossos trajes de luto!
Que as lágrimas de todos os pais encharquem as consciências dos mandatários da guerra!..

Poetas / prosadores / escritores de todas as plagas,
pelo verbo, nosso aguilhão, incitemos a paz!..

JiZ_________


Ammar Awad/Reuters
Am

Nenhum comentário:

Postar um comentário