14.3.13

a poesia, eu e a rosa




e já faz um bom tempo
daquele tempo
em que eu me aventurei em rabiscar uns versos...
só que eu não engavetava meus sonhos,
eu os transformava em barquinhos de papel
e os soltava às correntezas que
beiravam o jardim das hortênsias
quando o céu derramava mais do que deveria...
eu era um estranho ser aos olhos da maioria
que curtia de tudo apalpar...
meu pai, que também era um desses do ar,
foi meu cúmplice terno e sincero...
passaram-se os anos e eu desci da lua
para cumprir minha feminilidade pura,
e parir a rosa azul...
e eu sigo meus dias zelando e amando de mais
a delicada flor que a Criação me confiou,
que me ensina a domar o orgulho vão...
volta e meia sinto saudades
dos barcos-fantasmas do pretérito...
então eu pego carona nos sonhos da rosa e voo...



Obra de Arte:  CATRIN WELZ STEIN via blog.imagekind.com


Um comentário:

  1. Estou com voce nesse barco da Roza Azul !

    Belissimo teu sentir.

    Parabens pelo dia da poesia...

    ResponderExcluir