16.9.12

BARCO ESPERANÇA







































Os nós
não eram frágeis.
Desatei as amarras com o esforço sofredor,
banhada de suor.
Hoje estou solta às ondas revoltas,
mas rodeada de novos horizontes,
com as luzes do alto por amor.
Meu barco desliza ao rumo do vento...
Gritos radiantes 
acompanham as alvas velas amanhecidas
e minha ela fortalecida,
que assemelha-se a uma criança curiosa,
cheia de novas expectativas...
Sinto que os pássaros, como anjos irmãos,
sempre animar-me-ão,
aqui,
além,
ao chão...

À linha crepuscular, um fio dourado de esperança no ar...




JanetZimmermann
Obra de Arte: Alex Danovich

Nenhum comentário:

Postar um comentário