22.6.12

EMBARRO(S)-ME V

















Desenho de Manoel de Barros [sodez.com.br]

Abro a janela ao frio
e observo a sombra gigante
colada sobre as palmas,
sobre as pedras,
andares,
arrastares,
voares...
Todos sustentam a noite nas costas,
salvo os que se iluminam às réstias artificiais
que clareiam, ofuscam,
mas não cumprem o luar...
Então eu busco o prateado
nalguma fresta do alto mar
encoberto por brancas ondas,
mas não vejo luzimento
que me anime o pensamento...
Então eu volto a lembrar
dos pequeninos corações
que agora devem sonhar novos verdes
e os verdes, novos azuis,
e os azuis, amarelos-virginais...
E o poeta muito amado, por certo 
deve sonhar acordado
debaixo desta lua tímida e fria...
Decerto desenha hinos
escorados nas manhãs,
escoradas nas águas descoradas,
enquanto eu sonho ancorada
nas suas invenções 
perfumadas de rio...


JanetZimmermann
Campo Grande - Mato Grosso do Sul

Nenhum comentário:

Postar um comentário