29.1.12

POEMA IMEDIATO

O teto,
O chão,

Os quatro lados

Da solidão,

Que cobrem,

Que cercam,

Que assistem mudos

Este lamento,

São testemunhas concretas

Das mil tentativas

Vãs e obsoletas

De animar

O teto,

O chão,

Os lados circundantes

E a alada essência,

Deste exaurido coração...


Neste poema imediato,

O teto,

O chão

E os quatro lados da prisão,

Pulsam juntos comigo,

Em passageira comunhão...

jiz




4 comentários:

  1. MOMENTOS
    DE VENTOS
    TURBULENTOS.

    APENAS MOMENTOS
    QUE CHORO
    LAMENTO.

    MAS SOU FORTE
    AGUENTO
    E ENFRENTO.

    ResponderExcluir
  2. Ainda bem que são passageiros momentos... Obrigada pela visita aqui no meu Chão, poeta! Bom domingo de poesia!!!

    ResponderExcluir
  3. Li alguns poemas e fiquei a gostar da tua poesia.
    Janet, parabéns pelo talento poético que as tuas palavras revelam.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  4. Obrigadíssimo, Nilson Barcelli! Sinta-se em casa, sempre... Também visitei o seu, maravilhoso!! Um grande abraço, poeta!

    ResponderExcluir