18.1.12

MEUS LUGARES

Então escrevo.
Escrevo até
P  e  r  d  e  r  –  m  e
N’alva epiderme...
Quando dela saio,
Enluarada de poesia
E entro pra vida
Embrutecida de realidade,
Cai-me um balde d’água fria...
Não fosse a tua luzidia ternura,
Não fosse a firmeza do teu braço,
Preferiria eternizar-me naquela lua...

É tanta lua nos teus braços...
São tantos abraços dentro da lua...

jiz



Nenhum comentário:

Postar um comentário