16.11.11

A POÇA




Espelha pedaços de nuvens
- asas de algodão.

Espia anoitecer de serenado portão...

Reflete galhos pingados,
admiráveis pulos de gatos,
lâmpada fria...

Presencia, cúmplice, calada, tranqüila,
intimidades de passos largos e tortos.

Sobre paralelepípedos românticos,
dentro da ruazinha melancólica e minha,
poça requesta poesia...

E sonha prateados reflexos de lua,
e anseia , antes do derradeiro adeus,
pelo brilho de uma única estrela...


jiz



[Imagem: Janet Zimmermann] 

Nenhum comentário:

Postar um comentário