29.10.11

PENA SECA

perguntaram-me se consigo fazer versos
em que não caibam passarinhos...
posso até tentar, mas que devo fazer,
ignorar meu coração
se nele bem-te-vi já se fez ninho?
fingir que não-te-vi? 
ignorar que não ouço teu cantar, bem-ali,
quebrando o silêncio do meu poema,
sem alma e pobrezinho de carinho? 
sem asas escreverei o que der à pena.
neste alinhamento não há canto...
ah, sei não, verso sério e sem ternura
com certeza descambará em vento negro.
acaso conseguirei descrever o amor
com os corvos do Bruno me azucrinando?
com certeza destruirão todas as flores 
do meu jardim bem cuidado...
a rosa branca, não, por favor, 
é ela a bandeira da minha paz! 
pelo jeito não vai dar, 
poeta maUdito e querido, 
hoje estou mais pra sabiá...
vou ali e volto já, 
vou ver um passarinho 
me chamando pra voltar... 

#jiz





Um comentário:

  1. Que boniteza é esse blog.
    São lindos os teus textos. Com certeza virei aqui mais vezes!

    Saudações,

    Margot Félix

    ResponderExcluir