28.4.11

INSTANTES

“O instante de corola/O instante de vida/O instante de sentimento/O instante de conclusão/O instante de memória e muitos outros instantes sem razão e sem verso.” 
[Carlos Drummond de Andrade]



 





Não tardará o anoitecer
ao glorioso amanhecer.
Ao todo o novo,
ao todo o forte,
ao todo o belo,
ao brilhante.
Toda a estrela incandescente
finda-se na infiniteza
da noite fria.
Toda a áurea hora
Escorre ampulheta abaixo,
vida a fora.
Esta libélula
não é a mesma uma libélula
das mis libélulas
perpassadas
pelos mis olhos.
Este momento iminente,
quedar-se-á
na próxima linha...
................................
Exato instante?
Neste efêmero segundo,
no girar da curva do mundo
no abismo do firmamento,
o que ora escrevo – está escrito
é mera memória – nada resta,
além de rabisco,
caligrafia na história
pó de esquecimento.
Meu coração,
patos sentimento,
pulsa o fugidio momento
entre o futuro e o passado,
entre os vivos e os mortos,
entre a mais pura esperança
e as mais antigas lembranças.
E, dentre todos
os vãos momentos,
resta, de mais profundo mar,
este instante perpétuo,
este mágico sentimento,
Resta este amor...

[jiz]

Nenhum comentário:

Postar um comentário